fechar
- Advertisement -

Fashion News

♥ Moda & Estilo

NOVA COLEÇÃO SUMMER – JORGE BISCHOFF

IMG_4030-1024×683

IMG_0370

Meu primeiro editorial grávida! Semana passada fui conferir as novidades da Jorge Bischoff em Porto Velho. Os sapatos estão apaixonantes! Várias estampas, pedrarias, e cores lindas! Do azul marinho ao rosa quartzo. Além do conforto para os pés, os detalhes nas peças dão um toque especial a marca, que é impecável!!!

Grávida só quer saber de conforto não é mesmo? Então as minhas escolhas são as mais confortáveis, mesmo os saltos são ótimos, além de serem elegantes!!

aIMG_3646 aIMG_3672 aIMG_3729 aIMG_3801 aIMG_3886 aIMG_3940 aIMG_3965 aIMG_4029 aIMG_4043

IMG_4096

1IMG_4087

IMG_4030

As fotos ficaram lindas! A loja é linda, as peças então, nem se fala. Foi uma tarde ótima, de muitas risadas, ao lado do Fotografo Wanderson Moura. Quem fez a minha make e Cabelo foi Kairos Cabeleireiros e as unhas no Requinte das Unhas.

logo-jorge-bischoff

A loja Jorge Bischoff aqui de Porto Velho fica na Avenida Carlos Gomes, nº 2504, entre Rafael Vaz e Silva e Guanabara, Bairro São Cristóvão (69 3302-0048).

A loja possui Instagram (@jorgebischoff_portovelho) e Fan Page no FaceBook (Jorge Bischoff Porto Velho).

Beijo Beijo 

Leia mais...

ACCESSORIES

Desculpe, Não há posts suficientes para este bloco, adicione mais posts ...

LIFE & LOVE

Desculpe, Não há posts suficientes para este bloco, adicione mais posts ...

- Advertisement -

Most Popular

Desculpe, os posts que você solicitou não foram encontrados ...

THE LATEST

Thaís Lourenzzo

DICAS PARA TIRAR PASSAPORTE PARA BEBÊS

Shoot!

Olá! Outro dia fiz uma enquete no Stories, para saber se minhas seguidoroas do instagram queriam dicas para tirar passaporte dos bebês! O resultado foi 100% Sim \0/ Fiquei tão feliz!

Bom, o processo é simples, e para dar uma mãozinha às mamães resolvi fazer esse post e contar tim tim por tim tim tudo o que você precisa fazer para conseguir o documento. Se liga nessas dicas para tornar a sua viagem com seus pequenos mais simples, fácil, gostosa e sem aqueles perregues chatos que ninguém merece né?

Eu não tinha planos de mexer com coisas tão cedo, mas uma viagem apareceu e acabamos tirando o passaporte da Luísa antes mesmo dela completar um ano. O processo todo foi mais simples do que eu esperava. Mas muito cuidado com os prazos! Se você tiver uma viagem internacional marcada, não demore para dar entrada com o processo de solicitação do passaporte.

A emissão do passaporte não acontece rápido. Aqui em Porto Velho, consegui agendar o atendimento com facilicade, mas sei que em outras cidades, essa parte pode levar semanas. Além disso, problemas como suspensão da emissão de novos passaportes podem acontecer a qualquer momento e sem aviso prévio.

Vamos ao passo a passo de como tirar o passaporte para um bebê, que eu explico como funciona o processo.

DOCUMENTOS NECESSARIOS

Quando você pensa na emissão do passaporte do seu filho, qual é a primeira dúvida que lhe vêm à cabeça? Tenho certeza de que são os documentos necessários durante o processo de emissão. Por isso, antes de mais nada, veja o que você vai precisar levar no dia do seu agendamento na Polícia Federal.

  • Foto 5×7 do bebê – A foto deve ser recente, colorida, com fundo branco e sem data para as crianças menores de 3 anos (pois os pequeninos podem não colaborar no dia do agendamento). Para as maiores de 3 anos, a foto será tirada durante o próprio atendimento na Polícia Federal;

*Importante: A foto que você vai levar na PF, o bebê deve estar com a cabecinha reta (o que pode ser difícil para bebezinhos). Vale caprichar na foto, para não correr o risco de ter a foto e o passaporte negados no dia do atendimento, fizemos a foto da Luísa em um estúdio, pagamos 15 reais, depois de ter tentado em casa, várias vezes sem sucesso.

  • Certidão de Nascimento do bebê ou da criança (a partir dos 12 anos de idade, é necessário levar o RG em substituição à certidão);
  • Documentos de RG e CPF dos pais (vale também a carteira de motorista ou outro documento com foto que contenha essas informações). Caso um dos pais não esteja presente no dia, uma autorização do pai ausente para a emissão do passaporte com firma reconhecida. Atenção para a data de validade dos documentos e se estão em bom estado. Eles podem ser recusados caso não estejam em bom estado de conservação.
  • Comprovante de pagamento da GRU, Guia de Recolhimento da União impresso (taxa de R$257,25*, a ser paga antes do agendamento ser realizado). * Valor de agosto de 2017.
  • Protocolo impresso;
  • Formulário de autorização de viagem preenchido.

*Importante: Caso um dos pais não esteja presente no dia da visita à PF, é necessário levar uma autorização do pai ausente para a emissão do passaporte. Atualmente há três opções de autorização: 1. Para expedição do passaporte e viagem internacional com um dos pais (que constará do passaporte – por isso no dia da viagem não será necessária nova autorização); 2. Para expedição do passaporte e viagem internacional com um dos pais ou desacompanhado; 3. A mais simples: apenas para a emissão do passaporte (nesse caso será preciso levar uma nova autorização do pai ausente para que a criança consiga embarcar).

No dia agendado a criança tem que estar presente, e no nosso caso a visita foi super rápida e eficiente. Conferiram todos os documentos e nos deram um comprovante, que foi o que usei para buscar o passaporte. Para buscar a criança não precisa ir e não é necessária a presença dos dois pais.

PREENCHIMENTO DA SOLICITAÇÃO DE PASSAPORTE: 

Essa parte dá um trabalhinho, mas não demora muito. Para solicitar a emissão de passaporte, é preciso entrar no portal da Polícia Federal, e selecionar a opção “Requerer Passaporte”. depois basta clicar em “emissão do passaporte” e preencher o formulário com os dados do bebê.

Antes de enviar esse formulário, você deverá escolher a cidade e o local em que deseja ser atendido.

Depois disso, um boleto de pagamento será gerado (a GRU). Você pode imprimi-lo e levá-lo a um banco, ou efetuar o pagamento online (o que agiliza o processo, uma vez que dessa forma você conseguirá fazer o agendamento na sequência).

4) Só depois do pagamento efetuado, você conseguirá acessar a parte do site da Polícia Federal que agenda sua visita no local escolhido. Você também pode acompanhar o processo de agendamento por aqui.

AUTORIZAÇÃO PARA EXPEDIÇÃO DO PASSAPORTE E AUTORIZAÇÃO DE VIAGEM:

Por se tratar do passaporte de uma menor de idade, tem que preencher um formulário de autorização. São três modelos de formulário. No final do preenchimento da solicitação do passaporte, aparecem as opções para selecionar qual será utilizado.

Como a Luísa é um bebê e não pretende viajar desacompanhada dos pais no próximo ano, utilizamos o Formulário padrão de autorização de expedição de passaporte para menores com inclusão de autorização de viagem internacional no passaporte comum (poderes p/ genitor)

Esse formulário permite que a crainça viaje acompanhada apenas do pai ou da mãe. A autorização vem impressa no passaporte. Caso ela viaje sozinha comigo ou com o Eduardo, não precisa apresentar autorização de viagem no momento que ela passar no controle migratório para deixar o país.

Os outros modelos de formulário para que servem? Um autoriza o menor a viajar sozinho (Formulário padrão de autorização de expedição de passaporte para menores com inclusão de autorização de viagem internacional no passaporte comum (poderes amplos)). E o outro apenas autoriza expedir o passaporte, sem autorização de viagem (Formulário padrão de autorização para concessão de passaporte para menor).

AGENDAMENTO DE ATENDIMENTO

Só é possível agendar atendimento após a compensação bancária do pagamento da taxa de emissão, que leva até 72 horas. O agendamento também é feito pelo site e há épocas do ano que as datas são bem concorridas. Como fiz em agosto, estava tranquilo por aqui em Porto Velho.

ATENDIMENTO

Importante: No atendimento a criança precisa estar presente e acompanhada pelos pais! Caso um dos pais não possa comparecer, é necessária uma autorização do que está ausente para emissão do passaporte. Essa autorização precisa estar com firma reconhecida. Todos os documentos apresentados precisam ser originais e estar em bom estado de conservação. Os agentes da PF vão conferir o cadastro com os documentos.

ENTREGA DO PASSAPORTE

No atendimento será gerado um novo protocolo com a data de entrega. Esse prazo varia muito de lugar, aqui em Porto Velho, levou cerca de 30 dias. É enviado um e-mail com o aviso que o passaporte está disponível para ser retirado. No site da Polícia Federal fala que no ato de entrega do passaporte a criança precisa estar presente juntamente do pai ou da mãe (não há necessidade dos dois estarem presentes). Aí vale perguntar no dia do atendimento se precisa levar o bebê. Aqui em Porto Velho não precisa.

Passaporte em mãos, é importante observar que a validade do passaporte de crianças é diferente:

IDADE VALIDADE
MENORES DE 1 ANO 1 ANO
1 ANO COMPLETO A 2 ANOS INCOMPLETOS 2 ANOS
2 ANOS COMPLETOS A 3 ANOS INCOMPLETOS 3 ANOS
3 ANOS COMPLETOS A 4 ANOS INCOMPLETOS 4 ANOS
4 ANOS COMPLETOS A 18 ANOS INCOMPLETOS 5 ANOS
18 ANOS COMPLETOS OU MAIS 10 ANOS

Dicas preciosas:

Para viagens dentro do Brasil, a certidão de nascimento da criança é suficiente. Viagens dentro do Mercosul (Argentina, Paraguai, Uruguai e Venezuela), é necessário ter o documento de identidade. Mas se o destino vai além do Mercosul, o bebê ou criança precisa ter um passaporte e, dependendo do país de destino, pode ser necessário emitir o visto.

A segunda dica diz respeito ao agendamento para a emissão do passaporte: em muitas cidades, é difícil encontrar uma data próxima, no local em que você pretende comparecer. Se isso estiver acontecendo com você, tente acessar o site do agendamento próximo ao fim do dia, entre 16 e 17h – dizem que é nesse horário que o sistema disponibiliza vagas remanescentes, de agendamentos que foram desmarcados. Uma outra alternativa, em caso de urgência (quando sua viagem está muito próxima, por exemplo), é comparecer pessoalmente junto com a criança e todos os documentos necessários na unidade da Polícia Federal onde é feito o atendimento. Explicando a situação, é possível que você consiga marcar um dia mais próximo para a entrevista.

Bem, o processo para emissão do passaporte do bebê é esse. Parece um bicho de sete cabeças, mas como falei, na verdade é muito simples. Todas as informações podem ser encontradas bem detalhadinhas no portal da Polícia Federal http://www.pf.gov.br/servicos-pf/passaporte. Ou então, deixa um comentário aqui que eu eu ajudo no que for possível.

Beijo Beijo ♥ 

Leia mais...
♥ Mãe e Bebê

10 dúvidas que toda mãe tem sobre vacinação infantil!

VACINAÇÃO INFANTIL

Olá mamães! Lembra que eu falei que estava preparando um post sobre as principais dúvidas sobre vacinação? Pois é, ele ficou prontinho! Dr. Silas Rosa, Pediatra e proprietário da Clinica Porto Velho, onde Luísa está tomando suas vacinas, respondeu e esclareceu as dúvidas mais frequentes sobre o tema!

Olha só que maravilha!

1. Por que amamentar é bom durante a vacinação? O que acontece com o bebê?

Resposta: Quando a criança está sugando ela libera um neurohormônio chamado endorfina que diminui a dor. Além disso o aconchego no colo da mãe transmite segurança à criança. A sucção de uma chuca ou uma mamadeira também exercem algum papel mas a sucção da mama é mais efetiva.

2. Qual é a vantagem da terceira dose do rotavirus?

Resposta: As duas doses iniciais levam a uma resposta imunológica que chamamos de primária e que corresponde a uma proteção menos intensa. Quando se associa uma terceira dose a criança tem uma resposta secundária que é mais intensa e duradoura. As crianças que tomam duas doses podem vir a ter uma doença leve quando entram em contato com o vírus selvagem, o que raramente ocorre no caso de três doses.

3. Analgésicos antes ou após a vacina pode dar diferença no efeito das vacinas?

Resposta: Uma pesquisa apontou que a administração de analgésicos antes do gesto vacinal diminui a resposta imunológica, por isso não recomendamos que as mães os administrem previamente. Mas, após a aplicação da vacina se a criança estiver com dor (chorando…) ou com febre a administração do analgésico não diminuirá a eficácia da vacina.

4. As vacinas recomendadas para a região norte do país é a mesma para outras regiões?

Resposta: Basicamente sim. A única diferença é a indicação da Febre Amarela que só existe nas regiões endêmicas, isto é, em que o vírus circula. No passado esta diferença era grande já que somente as Regiões Norte e Centro Oeste eram consideradas endêmicas. Atualmente houve uma grande ampliação da área de circulação do vírus e praticamente todo o país tem indicação de administrar a vacina. Existe uma outra peculiaridade em relação ao Meningococo B cuja vacina é indicada em todo o país mas que tem especial importância para a Região Norte onde a frequência de casos é maior, provavelmente pela nossa proximidade com a América Central, onde este sorogrupo de meningococo é o mais prevalente.

5. Toda criança reage às vacinas?

Resposta: As vacinas hoje utilizadas são, em geral, muito efetivas e levam ao desenvolvimento de imunidade em quase 100% dos vacinados. Mas nós sabemos que sempre existe um pequeníssimo contingente que não responde, pessoalmente, às vacinas. Porém até estas crianças não responsivas se beneficiam com a maioria das vacinas quando aplicadas nas demais crianças, já que isto leva a uma diminuição na circulação do patógeno e, consequentemente, ao risco de o patógeno chegar à criança suscetível.

6. Várias vacinas dadas no mesmo dia compromete o sistema imunológico da criança?

Resposta: O nosso sistema imunológico específico, que reage às vacinas, é compartimentalizado. Isto significa que cada linhagem de linfócitos (células responsáveis por este sistema imunológico) responde a um tipo de patógeno e só a ele. Portanto, quando damos múltiplas vacinas em um só ato vacinal mobilizamos tantas linhagens de linfócitos quanto a quantidade de vacinas que administramos, sem sobrecarregar nenhuma delas, já que nenhuma ficará dividida entre responder a uma ou outra vacina. Portanto, não há inconveniente nenhum na aplicação simultânea de várias vacinas, exceto em um único caso: não aplicamos simultaneamente as vacinas de Febre Amarela e Tríplice Viral, contra Sarampo, Caxumba e Rubeola, porque esta prática leva a uma resposta diminuída à vacina da rubeola. O futuro da Imunização aponta para o que chamamos de vacinas combinadas, que nada mais são do que várias vacinas dadas conjuntamente em uma só aplicação. Um exemplo de vacina combinada é a vacina hexavalente para Difteria, Tétano, Coqueluche, HiB, Hepatite B e Poliomielite que já usamos hoje.

7. Posso espaçar ou atrasar algumas vacinas para meu bebê não tomar tantas em um único dia?

Resposta: Já dissemos acima que a prática simultânea de vacinas tecnicamente e cientificamente é viável. Outra questão que os pais questionam é se esta simultaneidade não aumenta a chance de eventos adversos (efeitos colaterais). A resposta aqui também é negativa: a chance de eventos adversos é a mesma se dermos as vacinas conjuntamente ou separadamente. Também aqui temos uma exceção: a simultaneidade das vacinas contra varicela e tríplice vital quando dadas conjuntamente, como primeira dose, na forma da vacina tetravalente viral, associa-se a uma ocorrência maior de eventos adversos que a sua aplicação separada (duas injeções) mesmo que dada no mesmo dia, embora este acréscimo da ocorrência de eventos adversos na aplicação combinada seja pequena e considerada desprezível por muitos. Adiar a aplicação de uma vacina para dá-la isoladamente em data futura também tem o inconveniente de conferir imunidade mais tardiamente e correr um risco maior de exposição ao patógeno selvagem. Por isso sempre defendemos que não se deve perder oportunidades: tão logo seja possível conferir proteção devemos fazê-lo mesmo com o inconveniente de várias vacinas na mesma ocasião.

8. O que acontece se eu esquecer ou atrasar algum reforço da vacina?

Resposta: A data programada para os reforços é o resultado da observação do comportamento da imunidade após a vacinação básica e geralmente corresponde ao lapso de tempo em que a imunidade adquirida anteriormente começa a declinar e necessita do reforço. Portanto, se o reforço está programado para uma data o atraso pode levar a um risco de aquisição da doença. Uma questão, no entanto, precisa ser esclarecida: não existe dose perdida de vacina dada anteriormente. Em nenhuma situação o atraso vai levar a ter que dar todas as doses da vacinação básica anteriormente já aplicadas. Se a criança tomou três doses de DTP no primeiro ano de vida e deveria tomar o reforço com 1 ano e 3 meses e deixar de fazer o reforço, em qualquer data posterior basta uma dose de reforço, sem necessidade de dar novamente as 3 doses da vacinação básica. Isto vale até mesmo para a vacinação básica que não foi completada. Por exemplo: a vacina de Hepatite B é dada em três doses em qualquer idade sem necessidade de reforços. Se a criança tomou duas doses apenas e, passados 5 ou 10 anos verifica-se a falta da terceira dose, não é necessário repetir as duas doses já tomadas: ela toma apenas a terceira dose que deixou de ser dada.

9. Posso levar meu filho para tomar vacina se estiver resfriado?

Resposta: Uma doença leve, como um resfriado, não é motivo para retardar a aplicação de vacinas. O resfriado comum é uma infecção de vias aéreas por um vírus como o rinovirus ou parainfluenza vírus. Portanto a resposta a esta infecção demanda a atuação de linfócitos especialmente destinados a imunidade contra eles que não são os mesmos que responderão às vacinas que serão aplicadas. Portanto, nem as vacinas prejudicam o resfriado, nem vice-versa. Nas clínicas privadas de vacinação não aplicamos vacinas quando as crianças estão com doenças importantes ou febris por uma questão de política sanitária, para preservar as vacinas de serem ¨responsabilizadas¨ por qualquer evolução desfavorável da doença que pudesse ser atribuída às vacinas. Na rede pública a questão deveria ser vista segundo um óptica diferente, analisando não só esta questão de boa política como também a questão da ¨perda de oportunidades¨. Como ponto de reflexão cito sempre em minhas aulas para alunos de Medicina um exemplo hipotético: uma criança que nasceu na Maternidade Municipal de Porto Velho e que lá tomou as primeiras vacinas e que retornou a sua casa na zona rural de Calama, vem a uma Unidade Básica em busca de consulta, com 7 meses de idade por uma doença febril. O médico que a atende constata que não tomou nenhuma vacina do primeiro semestre de vida. O que é mais importante: a política de preservação da vacina das consequências de uma evolução desfavorável da doença que a trouxe ou perder a oportunidade de aplicar as vacinas. Eu considero mais importante o segundo fator.

10. O que é vacina acelular que é usada na rede privada?

Resposta: Esta questão importa apenas em relação a vacina da coqueluche que é um componente da vacina DTP (componenete da penta hoje usada na rede pública brasileira). O ¨P¨desta vacina vem de pertussis que é o nome da espécie a que pertence a bactéria que causa coqueluche: Bordetella pertussis. A vacina usada na rede pública e que era a única disponível até a década de 1980 contém a bactéria inteira morta e isto é responsável pela grande frequência de eventos adversos. Uma em cada duas crianças têm um evento adverso como febre, dor local, vômitos, etc. Alguns desses efeitos são menos frequentes porém mais graves como convulsão e ¨dessmaio¨, que os profissionais chamam de episódio hipotônico-hiporresponsivo. Na década de 1980 surgiu uma nova vacina para pertussis que não tem a bactéria inteira mas fragmentos dela e que causa menos efeitos adversos. Esta nova vacina é chamada de acelular e referida nas suas referências pela sigla ¨Pa¨. Esta é a vacina que usamos na rede privada.

 

 

Silas Antônio Rosa – CRM 677-RO
Médico formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, campus de São Paulo (Pinheiros), com título de Especialista em Pediatria e Medicina do Trabalho, Pós-graduação em Saúde Pública, Mestrado em Biologia Experimental e Professor de Pediatria da Faculdade de Medicina da FIMCA. Advogado (OAB 860-RO)

Quer saber mais? Deixa um comentário sobre sua dúvida!

 

CLÍNICA PORTO VELHO
 
Av. Carlos Gomes, Nº 770 – Caiari
 
Fone: 3229-3003/3224-2941/98411-1248

Leia mais...
♥ Mãe e Bebê

Vacinas para Meningite

MidiaKitCorujices

Bom, por aqui fizemos mais uma vacina na vacina, a vacina para Meningite. Tínhamos outras vacinas para fazer e fui orientada na clínica a vacinar para a Meningite, isolada das demais, por conta dos possíveis efeitos colaterais. Luísa não teve nenhum efeito colateral, só percebi um sono mais longo na soneca que ela tira no final da tarde. Esperei pela febre na madrugada e nada! Graças a Deus! Nem no dia seguinte!!

Conversando com o Dr. Silas, um amigo que é pediatra (que por sinal é nosso colaborador no Blog) questionei sobre as vacinas para Meningite e aproveitei para pedir sua opinião.

Ele fez um artigo suuper esclarecedor sobre o assunto:

“Meninges são três membranas que envolvem o sistema nervoso central: cérebro, cerebelo, bulbo e medula espinal. À inflamação das meninges, geralmente causada por patógenos, dá-se o nome de meningite.

As meningites geralmente são virais ou bacterianas, sendo as segundas mais graves porque determinam maior mortalidade e maior número de sequelas. Várias são as bactérias causadoras de meningite mas a mais importante delas é o meningococo (Neiseria meningitidis), tanto pela frequência com que ocorre no mundo inteiro como pela gravidade dos quadros.

As crianças sempre representaram uma faixa etária importante para as meningites. A primeira vacina que surgiu para proteger as crianças contra a meningite foi o BCG, vacina aplicada nos primeiros dias de vida para proteger contra a Tuberculose. Crianças e adolescentes quando têm  tuberculose podem, secundariamente a doença pulmonar, desenvolver graves meningites tuberculósicas. O BCG até hoje é aplicado justamente para proteger contra estas formas secundárias detuberculose. Na década de 1980 surgiu a vacina contra o HiB (Haemophyllus Influenzae B), na época uma importante bactéria causadora de meningite em crianças até 5 anos de idade. Outra bactéria que causa meningite em crianças é o pneumococo (Estreptococcus pneumoniae) que hoje também é objeto de prevenção com boas vacinas.

Com relação aos meningococos, devemos considerar a existência de 5 sorogrupos desta bactéria (A, B, C, W e Y) e que a imunidade adquirida para um sorogrupo não aproveita para os demais, de modo que para se ter imunidade plena seria necessário dispor de 5 vacinas: uma para cada sorogrupo. Hoje dispomos de vacinas para todos eles, sendo que a vacina para o sorogrupo B só foi disponibilizada no mercado mundial no ano passado.

Em 2010 o Ministério da Saúde do Brasil incluiu no Programa Nacional de Imunizações a vacina contra o sorogrupo C, de modo que a vacina vem sendo usada há 7 anos nos lactentes. Naquela época a vacina disponível era somente esta e, coincidentemente, era o sorogrupo mais prevalente no Brasil como um todo. Na Região Norte naquela época o sorogrupo B já era muito importante. Outro fato importante é que esta prevalência muda ao longo dos anos. Já tivemos grandes epidemias pelo sorogrupo A e pelo sorogrupo B em anos passados em várias regiões do pais. Hoje na região Sul (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul) o sorogrupo W adquiriu uma importância crucial.

Em 2013 foram lançadas mundialmente vacinas combinadas para quatro destes sorotipos: A, C, W e Y e desde o ano passado, como dissemos temos, uma vacina para o sorogrupo B.

Idealmente as crianças devem tomar estas duas vacinas a partir de 2 ou 3 meses de idade, já que o risco de adoecimento pelo meningococo começa precocemente. Muitos adultos são portadores do meningococo em suas gargantas sem qualquer sinal de doença: são os portadores sadios, que já possuem boa resistência contra a bactéria que neles vive como comensal.  Estes adultos funcionam como reservatórios potenciais para infectar os bebês por transmissão oral. Por isso é que, endemicamente, mais de 95% das pessoas que têm doença meningocócica são menores de 2 anos.”

Assim, quem puder e tiver condições de comprar as doses da vacina é importante e recomendado como prevenção/proteção a mais, porém quem não tiver esse valor disponível  não deve se desesperar! Todas as vacinas estão disponíveis na Clínica Porto Velho.

 
CLÍNICA PORTO VELHO
Av. Carlos Gomes, Nº 770 – Caiari
Fone: 3229-3003/3224-2941/98411-1248
Leia mais...
♥ Mãe e Bebê

Site para checar o remédio para quem esta amamentando

remedio-natural-para-aumentar-producao-de-leite-materno-1-640-427

Oiii!!

Tive uma forte  alergia neste final de semana, fui parar no hospital, falei que amamento e infelizmente tive que tomar alguns remédios.

Sabemos que os médicos dão remédios com o mínimo de risco, mas sempre ficamos com pulga atrás da orelha na hora de começar com a medicação.

Achei um site que você coloca o nome do remédio e pode checar se o remédio é de risco muito baixo, risco baixo, alto risco e muito alto risco.

Achei bem útil e assim podemos tomar os remédios mais calmamente, pois em todas as bulas vem escrito, tomar depois de consultar o pediatra.

Infelizmente só tem em ingles ou espanhol.

http://www.e-lactancia.org/

Leia mais...
♥ Mãe e Bebê

VACINAS: o papel da Saúde Pública e das clínicas privadas

WhatsApp Image 2017-09-15 at 16.36.45

Olá mamães e papais, o post de hoje é sobre Vacina! Luísa está tomando algumas vacinas na Clínica Porto Velho, com quem mais entende do assunto em Rondônia, Dr. Silas Rosa. Eu, como mãe de primeira viagem, sempre fiquei com dúvidas a respeito do assunto. Então, ele fez esse artigo super esclarecedor para as leitoras daqui do blog. Dr Silas é pediatra e ele mesmo faz questão de aplicar as vacinas, e isso me passou muita segurança, antes de cada vacina ele explica (dá uma aula) tudo sobre reações, o que cada vacina representa, tira todas as dúvidas!! Tudo o que nós precisamos né? Ter a certeza de que nossos pequenos estão protegidos.

Ele contou em um breve artigo sobre esse assunto, que gera muitas dúvidas nos pais hoje em dia. Um artigo super objetivo e esclarecedor.

“As vacinas representam atualmente o melhor recurso de prevenção de doenças. Sem negligenciar o papel de outros avanços como saneamento básico e educação em saúde não se pode deixar de reconhecer o papel das vacinas na erradicação mundial da varíola, e na interrupção da circulação dos vírus do sarampo e da poliomielite no Brasil. Hoje os pequenos surtos de sarampo no Brasil são sempre importados.

Atualmente temos mais de trinta vacinas disponíveis mundialmente, todas muito bem avaliadas por instituições púbicas como o CDC (Center for Disease Control and Prevention) dos Estados Unidos e a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) do Brasil.

Evidentemente nenhum programa de Saúde Pública governamental consegue acompanhar com absoluta presteza o desenvolvimento nesta área. Em países em desenvolvimento ainda pesa o custo da introdução dessas vacinas nos programas nacionais. Temos, no entanto, que enaltecer o esforço do governo brasileiro que disponibiliza à sua população um dos melhores programas de imunização do mundo, embora também aqui temos uma certa defasagem de alguns anos entre a disponibilização de uma nova vacina e a sua introdução no calendário oficial do Programa Nacional de Imunização (PNI).

Além disso é preciso ressaltar que o objetivo perseguido pela Saúde Pública, que é o interesse coletivo, nem sempre coincide com o interesse individual de cada pessoa. Vamos exemplificar: a vacina da varicela (catapora) é dada na rede pública em uma única dose. Com isto menos de 80% das crianças estão protegidas de terem varicela e algumas, posteriormente, quando em contato com o vírus selvagem, acabam tendo uma forma leve de varicela. A Sociedade Brasileira de Imunizações preconiza hoje uma segunda dose da vacina, medida que leva a uma proteção próxima de 100%, para qualquer forma de varicela. Ao governo interessa que a única dose disponibilizada na rede pública protege quase 100% de terem formas graves que demandariam internações e risco de vida. Para o governo a introdução da segunda dose redundaria num custo que não compensa. Já nas clínicas privadas, após a apresentação desses dados, a maioria dos pais opta pela segunda dose. Razões semelhantes existem para que as clínicas privadas de imunização utilizam a vacina do Rotavírus pentavalente (apesar de exigir uma dose a mais que a vacina monovalente usada na rede pública), de duas doses da vacina contra Hepatite A (quando a rede pública usa apenas uma), da vacina antipneumocócica 13-valente (em lugar da vacina 10-valente da rede pública) e do uso de três doses da vacina contra o HPV mesmo em pessoas com menos de 14 anos (em vez das duas doses hoje usadas no PNI).

Além disso a presteza com que as clínicas privadas atuam faz com que disponham de vacinas ainda não utilizadas no PNI como a vacina contra o Herpes zoster para os idosos e a vacina tetravalente contra a Gripe (enquanto o governo ainda usa a vacina trivalente) e as novas vacinas anti-meningocócicas para todos os sorogrupos de meningococos que têm importância no Brasil: A, C, W, Y e B (enquanto o governo só disponibiliza a vacina contra o sorogrupo C).

Finalmente, nas clínicas privadas tem-se sempre um profissional médico com profunda experiência na área de Imunizações que, graças a sua atualização pode analisar e extrapolar as indicações formais em função do interesse de cada pessoa. Dessa forma já usávamos a vacina contra o HPV no sexo masculino, anos antes que o governo, só agora em 2017, passe a aplica-la nos pré adolescentes. Desde 2013 dispomos de uma excelente vacina combinada contra os meningococos A, C, W e Y do Laboratório Novartis. Desde junho de 2014 o CDC liberou o uso desta vacina para crianças a partir de 2 meses de idade, enquanto a ANVISA, no Brasil conservadoramente a indicava a partir de dois anos de idade. Isto representava uma divergência extremamente importante, já que mais de 95% das pessoas que adquirem doença meningocócica fora dos períodos epidêmicos são crianças com menos de 2 anos. Nas clínicas privadas a presença deste profissional médico atualizado pode colocar estes fatos para a família e propiciar a aplicação off labil (contra as indicações da bula) para o grupo etário a quem mais interessa a vacina. Só agora, em 2016, a ANVISA atualizou a indicação desta vacina para crianças desde dois meses de vida.”

 

Silas Antônio Rosa
CRM 677-RO
Médico formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, campus de São Paulo (Pinheiros), com título de Especialista em Pediatria e Medicina do Trabalho, Pós-graduação em Saúde Pública, Mestrado em Biologia Experimental e Professor de Pediatria da Faculdade de Medicina da FIMCA. Advogado (OAB 860-RO)

Quer saber mais? No próximo post sobre o assunto, vou postar sobre perguntas e respostas, as dúvidas mais comuns sobre vacinação. Se você quiser participar, deixa nos comentários sua duvida que no proximo post vou juntar todas as perguntas e respostas aqui!! Não percam!
 
CLÍNICA PORTO VELHO
Av. Carlos Gomes, Nº 770 – Caiari
Fone: 3229-3003/3224-2941/98411-1248
Leia mais...
♥ Beleza e Saúde

O Boticário apostou na ousadia e lançou novas cores de batom Intense para arrasar no look

21370845_1642939705777653_451690697581760184_n

A cantora Anitta é a estrela da campanha que resume tudo na assinatura: “Prepara e Arrasa!”

Intense, do Boticário, lançou cinco novas cores de batons que reforçam a proposta de praticidade da marca. A aposta é em tons ousados, capazes de dar um up em looks básicos e mostrar que a praticidade de um “bocão” bem destacado pode ser protagonista soberano de qualquer produção. Os batons já estão nas lojas de todo país, no e-commerce (www.boticario.com.br) e com as revendedoras da marca desde 4 de setembro.    Use e abuse das cores: prepare e arrase!

O destaque do lançamento fica por conta das tonalidades: azul (360 Graus), roxo (200 Mistérios), vermelho (12 Indiretas), marrom (120 Confidências) e vinho (170 Segredos), que chegam para mostrar que a ousadia pode sim fazer parte do dia a dia. Em opções matte e cremoso, os batons têm de longa duração e podem ser usados em qualquer tipo de situação, deixando o visual mais leve e divertido.

 

 

As novas cores estimulam as consumidoras a ressaltarem o que há de melhor nelas, sem medo de ousar, preparadas para arrasar com apenas um passo. “As mulheres buscam cada vez mais praticidade no dia a dia. E esse é exatamente o maior benefício das novas cores de Intense, oferecer possibilidades de estar sempre com uma make incrível, com a praticidade que a agitação do cotidiano exige”, explica Diego Costa, gerente da categoria de Maquiagem.

Poderosa: Anitta é estrela da campanha

E para protagonizar a campanha, ninguém melhor que a estrela pop, Anitta. A personalidade atrevida da musa é a cara das novas cores de batom que vêm para mostrar que a ousadia pode sim fazer parte do dia a dia e que não existe essa de que “cor escura vale só para balada”. No shooting, que teve a beleza assinada pelo beauty artist Henrique Martins, a cantora foi clicada ao som de sua playlist favorita esbanjando ousadia e atitude, uma make com foco total na boca, e roupas com um toque jovial e lacrador, assim como ela.

E para o lançamento de cores ousadas tivemos um show de arrasar. No dia 5 de setembro, às 21h, o Boticário apresentou Anitta como estrela da nova campanha num show exclusivo para mil pessoas, entre convidados e consumidoras que compraram, no mínimo, dois dos novos batons no período de pré-venda limitada a algumas lojas de São Paulo. Quem não conseguiu seus ingressos – que se esgotaram em poucas horas – pode curtir a transmissão ao vivo no Live da Vevo (http://vevo.com/boticarioeanitta). Também houve cobertura em tempo real nas redes sociais do Boticário. Dá pra conferir tudo pelo Facebook, Instagram e Twitter conectando-se com a gente pela #AnittaPreparaIntenseArrasa.

 

Leia mais...
error: Este conteúdo é protegido